Acesse também nas redes sociais: 

Testes de sangue e urina podem ajudar a diagnosticar autismo

10 MAR 2018
10 de Março de 2018

Estudo mostra danos em proteínas nos exames de crianças com o transtorno

Um novo estudo indica que o diagnóstico precoce do Transtorno do Espectro Autista (TEA) em crianças pode ser possível por meio de exames rotineiros de sangue e de urina, com um teste especializado que procura sinais de danos nas proteínas nas células. Os resultados foram publicados na revista “Molecular Autism”.

A pesquisa, feita por cientistas da Universidade de Warwick, na Inglaterra, em parceria com a Universidade de Bolonha, na Itália, recrutou 38 crianças diagnosticadas com TEA juntamente com um grupo controlado de outros 31 garotos e garotas de idades entre 5 e 12 anos. Foram realizadas análises em amostras de sangue e urina de todos os participantes.

Diferenças químicas foram identificadas nessas coletas e, com auxílio de um profissional da Universidade de Birmingham, as alterações encontradas em vários compostos foram combinadas a partir de um algoritmo treinado com Inteligência Artificial (IA). O intuito era desenvolver uma equação matemática capaz de distinguir as avaliações de TEA das saudáveis.

Repercussão. Como consequência, os cientistas descobriram uma ligação entre o transtorno e os danos em proteínas no plasma sanguíneo (parte líquida do sangue). As crianças com exame positivo apresentaram níveis mais elevados de oxidação do aminoácido tirosina e certos compostos modificados com açúcar, denominados “produtos finais de glicação avançada”.

Os especialistas acreditam que causas genéticas sejam responsáveis por cerca de um terço dos casos de TEA, enquanto o resto é originado de uma combinação de fatores ambientais, mutações e variantes genéticas raras.

De acordo com os cientistas envolvidos, o próximo passo é repetir esse mesmo estudo com outros conjuntos de crianças e confirmar o bom desempenho do diagnóstico. Eles alegam que outras perguntas têm que ser respondidas – por exemplo, se o teste poderia identificar o TEA em estágios muito precoces, se é possível projetar como ele se desenvolverá para doenças mais graves e se os tratamentos aplicados aos pacientes realmente estavam funcionando.

A psiquiatra Evelyn Kuczynski, médica do Serviço de Psiquiatria da Infância e da Adolescência do Hospital das Clínicas de São Paulo, alerta para a importância de estudos mais abrangentes. “Trata-se de uma doença heterogênea, e, até por isso, é difícil rastrear os fatores de risco e as causas de origem. Precisamos de dados que possam ser aplicados em prática na clínica médica, o que ainda não temos”, diz.

Impacto. “Quanto mais cedo houver intervenções, maiores são os progressos, principalmente nas relações afetivas e nas atividades diárias e motoras. Nos primeiros meses de vida, já é possível se observar”, diz a psicóloga Aline Abreu.

Quanto mais cedo é o tratamento, melhor

Segundo a psicóloga Aline Abreu, doutora em psicologia do desenvolvimento pela UFMG, o tratamento realizado logo após o diagnóstico permite que as limitações de base comuns numa criança autista – como atraso de fala ou dificuldade de aprendizagem, além da falta de atenção ou intenso interesse em um número limitado de coisas – não gerem um efeito dominó. “Existem questões neuronais que determinam a janela de desenvolvimento. Quanto mais nova a criança, mais ela estará aberta a aprender e registrar informações”, diz.

Com crianças de até 3 anos, por exemplo, o foco é conseguir que elas sejam estimuladas ao longo do dia, de forma natural. “Na avaliação, definem-se as metas de intervenção: atender quando chamadas pelo nome, estimular o contato visual com outras crianças e com pessoas que convivem, fazer brincadeiras sem brinquedo. É um treino para que a interação social seja lúdica e prazerosa”, explica a psicóloga.

Fonte: http://www.otempo.com.br/interessa/sa%C3%BAde-e-ci%C3%AAncia/testes-de-sangue-e-urina-podem-ajudar-a-diagnosticar-autismo-1.1580372
Voltar

Início      A rádio      Programação      Blog      Galeria      Contato